quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

"Leme: viagem no tempo ao fundo da noite" n'O Globo' de hoje

 

O Leme, pelo avesso

Livro do jornalista e escritor Arthur Poerner conta a história e as histórias do bairro

O carioca Arthur Poerner conhece a fundo sua cidade

Nelson Vasconcelos

nelson.vasconcelos@oglobo.com.br

E o Leme? Não há quem desgoste do Leme. Espremido entre o mar e a montanha, resume o Rio em suas manhas, manias, graças e problemas. O que, naturalmente, costuma despertar paixões pelo bairro. E um de seus mais enamorados moradores é o escritor e jornalista Arthur Poerner, que acaba de lançar "Leme — Viagem no tempo ao fundo da noite" (Ed. Booklink). Não é guia da boemia, como pode parecer pelo título. Mas a noite do Leme está lá presente, claro, não fosse Poerner uma daquelas lendárias figuras que viram a madrugada pelo avesso — geralmente na Fiorentina, a mais famosa referência do bairro para os forasteiros.

O Leme, no entanto, está longe de ficar resumido a um endereço. É o que mostra Poerner, na sua prosa fácil e o bom humor que caracteriza o carioca dos bons tempos. Algumas histórias são antológicas. Como a do Marinus Castro, que certa vez chegou ao seu apartamento e encontrou nada menos que um cavalo na sala. Cavalo branco, de verdade, não um delírio etílico. Detalhe: Marinus morava num sétimo andar. Como pode um negócio desses? Poerner explica.

O livro tem disso: entre os causos que o jornalista vai tirando da cartola, vai se desfiando a história do bairro e, por extensão, do próprio Rio. Diz-se, aliás, que D. Pedro II fez piquenique nas areias do Leme. Era só o começo da fama. Aos personagens anônimos, desses que fazem a vida de qualquer bairro, vão se juntando nomes conhecidos do carioca, de Ataulfo Alves a Ziraldo, passando por Beth Carvalho, Cartola e todo um abecedário de notáveis que foram parar no Leme. Invariavelmente, tendo ao lado Poerner, que vive no bairro desde a década de 80, depois de nove anos no exílio.

A propósito, sempre atento a questões sociais que envolvem a vida do país, Poerner não se furta a comentar o tráfico no bairro e deixa claro: a única maneira de evitar que o mal vença é unir as diversas camadas sociais que dividem o mesmo espaço, promovendo uma harmonia de contrastes, como diz o jornalista.

Enfim, eis aí uma ótima leitura, daquelas que deixam a gente com esperança de que o Rio ainda tome jeito.
                                                                            

20 comentários:

Nelson Vasconcelos disse...

Dá-lhe, mestre! Abraçao

Maria Camilla Soares Pereira Saraiva disse...

21 de janeiro de 2010 16:49

Oi, Poerner
Gostei de ler 1 matéria sobre o seu livro no Globo z. Sul
Parabéns
Bjs
Camilla

Alvaro Maciel disse...

21 de janeiro de 2010 18:47

Parabés, Poerner ! Vamos realizar um novo lançamento.

Emerson Menezes disse...

Faço minhas as palavras do Álvaro acima: faça mais um lançamento, pois, infelizmente, não consegui comparecer no último. Quero comprar este livro, com direito a um autógrafo teu.

Abraço grande!

Armando disse...

Li a matéria de Nelson, gostei, vou ler o livro também. Parabens Nelson e Poerner. Postei uma nota num forum de leitores:
http://engforum.pravda.ru/showthread.php?p=3042232

Armando Rozário - Rio, 22 de janeiro de 2010

Rosemeire Rodrigues disse...

Arthur,

Parabéns Poerner por mais esse livro. Vou procurar na Livraria
25 de janeiro de 2010 23:35

Cultura aqui no Recife. Estou com as passagens compradas para ir a Alemanha em 19/06 e gostaria de saber se vc tem nome Skype, para adicioná-lo também nesse programa. Estou levando o notebook pra Camurça, que vive na Alemanha sem os amigos do Brasil, para deixá-lo conectado com todos daqui.

Beijos, Rose!

Carlos Emílio C.Lima disse...

26 de janeiro de 2010 17:46

Caro amigo Arthur Poerner,
Que saudades! E parabéns!.
Abraços fraternos
de
Carlos Emílio C.Lima

heliojesuino disse...

Valeu poerner,parabéns pelo livro e fique firme aí no leme que o mar não tá pra peixe ...

grande abraço

Marcio disse...

Parabéns Poerner!
Abraço
Marcio Montserrat

maria guimarães sampaio disse...

Sou leitora de Poerner desde o auge do "Poder Jovem" (quem não lesse era um babaca). Não perderei o Leme.

Lúcia Klück Stumpf disse...

29 de janeiro de 2010 16:05

Poerner,

parabéns por mais uma publicação!

Estou sempre atenta a seus feitos, mesmo de longe.

Beijos e sucesso!

Mano Melo disse...

29 de janeiro de 2010 16:10

Está ótimo, Artur, seu blog também. na primeira oportunidade, pego na livraria. Estou repassando seu mail para amigos que moram no Leme e gostam de ler, recomendando. Abração pra vocé,


Mano Melo

pauwim disse...

Meu caro Poerne, Parabéns por mais esse lançamento, continuemos na nossa boemia no Fiorentina, cada um na sua mesa mas nos envenando de Tabaco e Whisky juntos.
beijo do Paulo Roberto

porfiriolivre@gmail.com disse...

Poerner.
Você é uma das figuras mais puras e mais sensíveis que conheci (desde o tempo do CORREIO DA MANHÃ). É infelizmente uma pedra preciosa que não foi devidamente cultivada.
Parabéns por mais essa obra tão bem indiprada, que me fez sentir saudades do tempo em que morei na general Ribeiro da Costa - de fundos para o Marinus Castro - e das noites na Fiorentina.
Porfírio

SYLA SYEG disse...

Olá, Querido Amigo!

Tenho excelentes lembranças do Leme! Você me fêz voltar no tempo. Muito bom...
Parabéns!
Beijos,
Syla

Moniz Bandeira disse...

30 de janeiro de 2010 06:55

Meu caro Poerner, meus parabéns. Infelizmente, como estou a morar na Alemanha e não vou agora ao Brasil, não posso comprar o livro.

Forte abraço do seu velho amigo, Moniz

Raquel Naveira disse...

1 de fevereiro de 2010 21:51

Prezado Arthur Poerner,
Parabéns pelo novo livro.
Pude visualizar o Leme com suas luzes, mar e montanhas.
Nada mais autêntico e verdadeiro do que escrever nossas impressões sobre
o lugar onde vivemos, que abriga nossos sonhos e que passamos a amar.
Foi com amor que escrevi o ensaio anexo em homenagem a SP, onde estou
morando.
Espero que goste.
Abraço fraterno,
Raquel Naveira

William Warney disse...

17 de fevereiro de 2010 18:20


Olá Arthur,

Como vai? Tudo bem? Gostamos muito de bater papo com você ontem a noite e também com o Renato e os outros amigos.

Através do seu cartão de visita pude ver o seu blog. Achei muito legal. Muito interessante mesmo. Vi suas fotos na Portela e li também a respeito do seu livro sobre o bairro do Leme. Me lembrei inclusive de um livro antigo que tenho aqui em casa com as fotos antigas do bairro do Leme. Achei muito legal aquela história do cavalo branco na sala de um apartamento no sétimo andar...hehehe.

Bom, hoje tem mengão no Maráca e eu vou ficar em casa mesmo torcendo pela vitória. Vou aproveitar a oportunidade e deixar alguns links das minhas canções que estão no youtube.

O Tempo e Você ( http://www.youtube.com/watch?v=XEq5VyoCeRY )
Houve Um Tempo ( http://www.youtube.com/watch?v=GQUnLugfm6g )
Underground Carioca ( http://www.youtube.com/watch?v=uZt5Dnh7uJ0&feature=PlayList&p=5ECDDD55970A7A32&playnext=1&playnext_from=PL&index=1 )

Um abraço,


William Warney

Armando Rozário disse...

O Leme, pelo avesso - "Viagem no tempo ao fundo da noite - N. Vasconcellos/A. Poerner


São dois colegas, e amigos, parabens! Gostei da matéria, vou ler o livro.


Armando Rozário ¹²³ Rio de Janeiro, Brasil - 22 de janeiro de 2010.

Ivor Lancellotti disse...


É LINDO O SEU LIVRO/MESTRE ARTHUR
3 mensagens
3 de setembro de 2012 13:56
Para: arthurpoerner@gmail.com

Mestre Arthur,
Muito obrigado pelo presente,uma pérola da literatura e do conhecimento.Ótimo de ler!! e uma aula de beleza e importância do nosso querido bairro,Leme.
Arthur quando quiser nos visitar lá no teatro A GAIVOTA pode dizer,se quiser por e-mail, quando, que colocaremos seu convite na bilheteria.Mais uma vez obrigado.
Grande abraço
--
Ivor Lancellotti
www.ivorlancellotti.com.br minha página
Arthur Poerner 3 de setembro de 2012 20:42
Para: Ivor Lancellotti
Ivor,meu querido,
muito obrigado pela sua estimulante mensagem ! Isto sempre nos faz muito bem.
Quero, sim, visitá-lo no teatro. No momento,estou meio sobrecarregado de trabalho, mas, logo, logo, entrarei em contato.
Com o afetuoso abraço do
Poerner