terça-feira, 17 de setembro de 2013

Alfredinho setentão

   
    Domingo de culto à amizade: depois de assistir pela tevê a mais uma sofrível exibição do Flamengo no Campeonato Brasileiro - menos mal porque, já no finalzinho, conseguiu arrancar um empate da Ponte Preta, em Campinas -, corri à sede do meu segundo clube de coração, o Botafogo dos inesquecíveis amigos Garrincha e Didi, onde outro amigo querido, o Alfredinho do Bip-Bip, chegava aos 70 com uma feijoada que já tinha acabado, depois de servidas quase oitocentas. Acabou o feijão, mas não o samba, que se estendeu pela noite, como fundo musical para reencontros como o que tive com o engenheiro pernambucano Alfredo Lopes Filho. Ex-exilado na Suécia, onde nos conhecemos, ele me lembrou das palestras que fiz em Estocolmo e Lund. Na foto, apareço entre os dois Alfredos.


2 comentários:

Alfredo Lopes Filho disse...

Foi uma alegria reencontrar o Poerner e relembrar, sobretudo, o ato que organizamos em Lund pelo BrasilienKommittee.

Anônimo disse...

Pena que você chegou quando já tínhamos saído...
Adorei a reportagem!
Eli.